terça-feira, 27 de maio de 2008

MUTO

Hoje de manhã fui surpreendida pela obra de arte mais genial que vi nos últimos tempos!
A descrição é esta:

"MUTO - an ambiguous animation painted on public walls" (Made in Buenos Aires and Baden)

Os adjectivos ficam ao vosso critério. Deliciem-se!



O vídeo está todo feito em stop-motion. Blu pintava, fotograva, pintava por cima, fotograva... o resultado é magnífico!
Visitem a página deste artista: http://www.blublu.org/

sexta-feira, 23 de maio de 2008

"Don't you know that I feel the same way!?!"


No outro dia, a minha irmã foi buscar um cd antigo e esta música não parava de tocar em loop lá em casa.
Quando o tempo passa, perdem-se algumas coisas e ganham-se muitas outras, mas as que ficaram lá atrás trazem tanta saudade...

Às minhas amigas *

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Irresistível

video

Isto é uma verdadeira delícia. Desde a reacção inicial (um sorriso, um "oh não...") até à emoção final, com os braços arrepiados, mas com vergonha de o admitir.

terça-feira, 6 de maio de 2008

De sonhos e homens sem cabeça




Quidam sou eu, tu, o vizinho do lado, o japonês do outro lado do mundo e não é nenhum destes. Quidam é toda a gente e não é ninguém.

Fui ver o Quidam do Cirque du Soleil e, sem surpresa, fiquei fascinada. Desde a parte técnica propriamente dita, a ginástica e as acrobacias, até ao guarda-roupa, à música (tocada ao vivo) e à incrível iluminação, tudo foi fantástico. Todas as personagens tinham a sua magia, a menina Zöe, a caveira de luvas, o senhor gordinho saído dos filmes dos anos 40 e (o meu favorito, confesso) o gigante sem cabeça de chapéu de chuva.

Mas o melhor não foi nada disto. Na última música do espectáculo (está ali em cima só um bocadinho, que não me deixam pôr mais), há um verso que não me sai da cabeça: "d'un rêve à l'autre, tu valses". E é assim a vida. Mesmo que pensemos que não. Mesmo que achemos que somos todos muito racionais, com os pés assentes na terra e a cabeça no pescoço. Não somos nada disso.

Vivemos de sonhos e esse é talvez o conhecimento mais concreto que temos. Dançamos de um sonho para outro, sempre à espera de que um dia aquele sonho perfeito se torne real. Seja o emprego de sonho, a viagem de sonho, a relação de sonho.

E esse dia chega. Só precisamos de não parar de sonhar e acreditar sempre que são os sonhos que nos tornam mais reais, mais racionais, mais humanos. Para isso, precisamos de andar sem a cabeça nos ombros de vez em quando. De sermos loucos.

Quidam faz acreditar nos sonhos mais loucos, mais coloridos, mais felizes ou mesmo mais tenebrosos. Quidam somos todos. Por isso, sou eu que te faço acreditar em sonhos e tu a mim.

Vamos perder a cabeça?