sábado, 4 de dezembro de 2010

O frio não é tão frio assim

Estiveste bem esta noite. As músicas novas são de ouvir em repeat e estás a cantar cada vez melhor. Só torço um pouco o nariz quando improvisas demasiado. Sei que é difícil conter a voz que te sai no momento, mas porquê alterar as melodias que fizeste tão belas? Por outro lado, é isso que te faz parecer tão humano em cima do palco. Parecer. Lição de vida: nunca confundir o artista com a sua arte.

Não tenho saudades tuas. Tenho saudades daquele bocadinho fugaz que tivemos. Não direi, como já disse de outro, que tenho pena pelo que poderíamos ter sido, porque, sendo eu quem sou e sendo tu quem és, acho que não poderíamos ter sido.

Há razões para gostar do Inverno. É que, no frio de uma avenida lisboeta percorrida a pé à noite, a melancolia chega mesmo a ser bonita.

3 comentários:

Anónimo disse...

É pouco protocolar usar este espaço para fins que não aqueles a que se destina, mas como é Natal e ninguém leva a mal, season's greetings (tuga = santo coiso) do Snake. Melhores dias virão, a menos que venham piores.

Ranhoca disse...

Gosto do que escreves.

Vou andar atento :)

cumprimentos de coimbra

Pedro Espírito Santo disse...

Foi numa noite fria deste Inverno que fiz as pazes com esta cidade. Mesmo com este tempo é possível encontrar pequenas lareiras nas nossas ruas e avenidas que relembram que o Inverno e a melancolia são, como sempre, passageiros, e que se aproxima uma Primavera a passos largos.