sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

A rapidez com que dei a resposta não deixa mentir: acredito mesmo nisto. Bolas.

J: Marta, tu é que me vais dizer.

Eu: Diz, diz.

J: É legítimo lutar para lá do que é razoável por amor?

Eu: Claro.

J: Obrigado. Sabia que se havia alguém no mundo que iria compreender eras tu.

Eu: Anytime.