quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Foi assim que vi a minha irmã perder a esperança

Hoje acordei e levantei-me mais cedo do que o costume (ó dor), mas não demorei a perceber que estava mesmo acordada. Cheguei à casa de banho e deparei-me com a minha irmã ainda de pijama, com uma fita vermelha mais velha que eu a segurar o cabelo todo, a tentar abrir um frasco de lixívia de dois litros. Na bancada, estava outro, já vazio. Olhou para mim com uma expressão a roçar o pânico.

- "Eles", começou, referindo-se àquela entidade desconhecida que sabe uma data de coisas, como o tempo para amanhã, "eles estão a mandar pôr lixívia nos canos. Vai haver uma invasão de baratas em Lisboa".

Estive quase para a lembrar de que ali em Alfornelos já não é Lisboa, mas vi-a tão aflita que só consegui apontar para a sanita e dizer: "põe aqui também". Ela continuou na azáfama de abrir a lixívia, já com a ajuda de uma tesoura, e, muito concentrada, deitou o líquido no lavatório, na banheira e na sanita. Depois de trabalho pronto, parou dois segundos a olhar em silêncio. A última coisa que disse antes de partir em busca de outros canos saiu já em tom desesperado.

- "Como se isto as impedisse".

5 comentários:

Zaahirah disse...

Ai "Eles" disseram isso? Então suponho que quando voltar a casa, lá para Setembro, tenha a casa infestada, não?

Ni disse...

primeiro, a fita não é mais velha que tu. ja eras uma jovem adulta quando a adquiri. e depois, as baratas sao um assunto muito sério, não devias gozar assim. elas vêm para te buscar!

Sunrise disse...

Se elas sobrevivem a uma bomba atómica, temo que sobrevivam à lixívia.

bipa disse...

tão bom!!!

Thiago M. disse...

Consta que a lixívia é um excelente elixir da juventude para as baratas... ficam lavadinhas, airosas e prontinhas a voar por cima das vossas cabeças e poisar sobre o melhor de vocês, meninas. Por isso, quanto mais, melhor... lexívia pelos canos! Nada de coca-cola, pois é corrosiva.