segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Barcelona, part un

E, passado uma semana, cá estamos finalmente.
Ouvimos dizer que estava preparado um ataque terrorista para o metro de Barcelona no fim de semana passado. A grande questão que se coloca é: porque é que os srs. terroristas não conseguiram levar os seus planos avante? Há várias hipóteses:

1. Os senhores entraram nas escadas de metro erradas da estação Liceo e foram para o lado oposto ao que queriam. Para mudarem para a direcção certa têm de sair e comprar um novo bilhete e, como isto é gente que não anda por aí de carteira, desistiram.

2. Antes de pegarem ao trabalho, foram lanchar ao Café de l'Opera na Rambla e comeram churros com açúcar molhados em chocolate quente, acompanhados de café com leite condensado e chocolate. O banquete fez um ataque terrorista aos seus intestinos e não conseguiram largar mais a casa de banho.

3. Para não gastarem 3 euros cada um num cadeado (que eles lá por terem petróleo, não quer dizer que não sejam gente poupadinha), puseram as malas todas no mesmo cacifo. Como seria de esperar, rebentou e eles não conseguiram descobrir o caminho para fora dos destroços.

4. Ao passarem pela maravilhosa Casa Batló, juntaram-se à porta a cantar "se gostas de Barcelona, batlós palmas" e riram-se tanto que nem se conseguiram levantar do chão.

5. Encheram o bandulho com tapas deliciosas no Bairro Gótico e a continha salgada deixou-os sem dinheiro para comprar fósforos para as bombas.

6. Desceram a Sagrada Família a pé e nunca mais chegaram ao fim. Ainda lá estão hoje à voltas na escada em caracol, coitados... Alá os ajude.

Não, esperem... Isto fomos nós!


1 comentário:

lilith * disse...

Tsuuu! Não te escapa QUASE nada :D Só faltou mesmo mostrares ali as ramblas de toda a gente! Aaaaah! Y hablares de nuestras roommate's argentinas, que traziam, em vez de mochilas, autênticos tanques de guerra, com microondas, secadores de cabelo e aspiradores incorporados! Chicas com muito "argent" e "tino" para conseguirem fazer um interrail daqueles... Lá chegaremos! Um brinde a nós, minhas amoras *