quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

As lágrimas da minha amiga

Ontem à noite, consolei uma grande amiga.
Na despedida, abraçámo-nos com força, como sempre fazemos, e eu senti o rosto dela molhado contra o meu. Ela tem lágrimas fáceis e, ainda com a música da Amália nos ouvidos, era ainda mais difícil contê-las. Agarrei-lhe a cara com as duas mãos, beijei-lhe as bochechas várias vezes, acariciei-lhe o cabelo dourado e perguntei-lhe finalmente

- O que foi?

- Não quero que estejas infeliz,

disse ela. Sorri-lhe e disse

- Não te preocupes, vai correr tudo bem. Sabes como eu sou. Tenho uma Amália dentro de mim.

Ela riu-se e eu acalmei-me por vê-la mais calma.
Está algo errado neste episódio? Alguma coisa ao contrário? Não. Eu acho que não.

3 comentários:

ela adormecida disse...

E já tenho lágrimas a boiar outra vez.

Sabes como são... os meus olhos. E sabes porque facilmente deixam escorregar essas lágrimas, por vezes, com "tons" tão díspares.

Sensibilidade, mais do que fragilidade. Querer tudo de bom para ti, tão ou mais que para mim.

*

Louro disse...

A Deusa junta sempre duas pessoas que precisam de estar uma perto da outra... E tu, Ela Adormecida, se queres mais para a Clara do que para a ti própria... isso só quer dizer que mais cedo ou mais tarde vais receber em triplo aquilo que desejas à tua amiga. Isto é uma teoria tão fatela. Mas é tãaaaaaaaaaoooo verdade... ;)

E vocês as duas?
São lindas!

Vekiki disse...

Lindo. É bom quando sentimos que temos essa capacidade de consolar, de dar conforto. É bom quando sentimos que alguém confia tanto em nós que chora no nosso colo...