quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Forte


O colégio de freiras tinha vantagens e desvantagens. A desvantagem era ter 13 anos numa turma só de raparigas. A vantagem era a sala de aula ser muito grande, como a escola toda. Era tanto o espaço, que até jogávamos ao ringue lá dentro. Um dia, um daqueles ringues de borracha duros que hoje devem ser perigosíssimos para as crianças voou direitinho à minha cara. Com toda a força. Eu levei as mãos à dor e disse: Ai! As minhas colegas rodearam-me e perguntaram-me: Estás a chorar? Eu não estava. Nunca estava. A Ana Maria olhou para mim muito séria e disse: És tão forte.

Tenho pernas de cimento. Coisas de bailarina. Os braços frágeis como caules de flores, mas as pernas rijas como raízes. Poderia estudar-se anatomia nelas; quando as estico, nota-se cada músculo, com incrível detalhe. E, se se pressionar a pele com os dedos, mesmo com alguma força, eles não cedem. A sua rigidez de pedra provavelmente tira-lhes beleza, mas eu gosto delas assim. Orgulho-me até, porque em cada músculo saliente vejo as horas de esforço (saboroso) que tenho todas as semanas nas aulas de ballet.

Forte. Chamaram-me assim mais do que uma vez. Mais do que duas. Muitas vezes. Não, dizia eu, não, é tudo fachada, sou tão frágil por dentro, soprem-me na cara, mesmo levemente, e eu caio redonda no chão.

Hoje vejo-me de pé, às vezes nas pontas dos pés, sem vacilar. Não me lembro de ter sentido o frio do chão nas costas, mesmo quando a ventania me humedeceu os olhos. Forte? Começo a acreditar.

5 comentários:

ela adormecida disse...

Vou quebrar a poética da coisa, mas não consigo resistir: FÔTE TU OH GODA DA MEDA!

Clara disse...

É verdade. A minha amiga também tem gargalhadas fáceis =D

ela adormecida disse...

Não se nasce forte. Ser forte é uma questão de sobrevivência... Decidimos quando temos de ser fortes, às vezes com a ajuda de amigas como tu.
Ah! E com pernas de bailarina é bem mais fácil ;P

É verdade, ainda desenhas flores? *

Clara disse...

Claro. Nem preciso de perguntar se ainda desenhas estrelas =) *

Anónimo disse...

"Pernas de cimento" lembram-me um anúncio antigo a uma pasta de dentes extinta ("Agora, tenho gengivas... de betão!"). É bom gostarmos de nós próprios ("se não gostar de mim, quem gostará?"). A mim, o único avanço da cosmética capaz de ajudar seria o photoshop: sou uma ruína, uma cobra em avançado estado de decomposição. Mas também já tive músculos de boa constrictor - e sem nunca ter feito ballet, o que sempre é um consolo...