sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Alguém o viu?

Avenue of poplars in Autumn, Vincent Van Gogh


Encolho-me dentro da roupa. Sinto-me febril, mas sei que não tenho febre. Às vezes tremo. Não sei se de frio, se de medo do inesperado, do demasiado rápido.
A luz cinzenta, a chuva, o vento, mas principalmente o frio - chegou o Inverno. Tão depressa...
Gosto das coisas no seu lugar. Gosto de rotinas, gosto de saber o que me espera no dia seguinte.
Mas já nada é como devia ser. Tenho de fechar os olhos para vê-lo: sob um sol ainda morno, as árvores mostram, no seu lento despir, como a natureza consegue ser sensual. E são como mulheres: é quando estão nuas que são mais bonitas. Ou, pelo menos, mais verdadeiras.
Alguém deu pelo Outono passar? Alguém notou a terra ficar vermelha e dourada? Nós próprios aceleramos as estações. Ainda não acabou Outubro e já o Natal está por toda a parte, nos centros comerciais, nas cabeças aflitas dos pais, nas mãos ansiosas das crianças.
Pobre S. Martinho, o mais injustiçado dos santos. Demos-lhe um dia e agora esquecemo-nos dele. Gostava de me sentar num banco de jardim, com os pés deliciados sobre as folhas secas, a comer castanhas quentes, daquelas que queimam a boca e deixam as mãos sujas. Mas não posso. O Inverno não me deu tempo.

Obrigada, Van Gogh, por tantas vezes teres pintado o Outono. Daqui a uns anos, já com a memória tão indefinida como as pinceladas dessas imagens, vamos olhar para elas e perguntar: "lembras-te"?

2 comentários:

Catá disse...

Olha, assim folhas secas pelo chão... talvez as de jornal já meio amachucadas, mas castanhas há muitas! Vai do rossio ao terreiro do paço, que logo vês que ainda há Outono!

Gema disse...

E nem um cheirinho a terra molhada o meu nariz sensível sentiu este ano... Bora pôr cheiros no quadro desse senhor!?!