sábado, 29 de novembro de 2008

Crise do quarto de idade


Será que algum dia me vou conseguir definir de forma simples e clara? É que, por enquanto, aquilo que eu sou é uma grande indefinição. Ora vejamos:

- Não sou de Leiria, nem de Lisboa;
- Não estou empregada, nem desempregada;
- Não vivo com os meus pais, mas também não sou independente, nem emancipada;
- Não trabalho em informação, nem em entretenimento;
- Não sou jornalista, nem guionista;
- Não sou puritana, mas também não sou nenhuma louca devassa;
- Não acredito em Deus, mas tenho a minha "fé";
- Gosto de cinema independente, mas não tenho paciência para o Schroeter;
- Sou muito activa e muito dinâmica, mas estou há dois dias fechada em casa;
- Gosto de sair, mas só se não estiver a chover;
- Sou optimista, mas com tendência para a melancolia;
- (...)

Ao menos a minha identidade sexual não está em crise. Isso sim, seria o fim!
Who the fuck am I???

6 comentários:

Anónimo disse...

Ó rapariga! Tu e eu somos almas gémeas: cobra, eclodi de um ovo (o que vem primeiro, o ovo ou a serpente?), nem em Leiria nem em Lisboa; não vivo; não trabalho; não sou; não acredito; não tenho paciência; estou fechado em casa... É verdade que em saídas e optimismos não te acompanho; mas, em contrapartida, não estou em crise de identidade sexual (heterossexual não praticante). Única diferença relevante: como se vê pelo exposto, sei exactamente who the fuck I am...

Génio Louro disse...

Se ainda te questionas é bom sinal. Sinal de que não és uma ovelha passiva que segue o rebanho. Perguntas. Questionas. Queres saber. Dúvidas de ti próprio. Conheci um filósofo que, a dada altura, começou a duvidar do mundo inteiro até que chegou a duvidar de si próprio. E como resolveu el esta crise existencial? Chegou a uma frase genial: COGITO, ERGO SUM. Se pensas, logo existes. E tu? Pensas.

Elsa* disse...

Alguém muito inteligente! só assim é possível tanta questão dessa natureza íntima!
És filha deste mundo, mas rainha do/no teu caminho!

num relance disse...

"Who the fuck am I???"
alma à deriva

Manitas disse...

Parece que o existencialismo é o pensamento da estação. Admiro a persistência em questionarmo-nos, mas será necessária uma definição simples e clara em todos os aspectos? Talvez seja só uma fase...

Sem grande tempo para comentar... disse...

Comento depois