sexta-feira, 28 de novembro de 2008

A Crise

Hoje deparei-me com um anúncio inacreditável no cargadetrabalhos.net. Antes de mais, o copy paste:

estágio em jornalismo

Faculta-se estágio subsidiado a recém-licenciado em jornalismo com boa média final de curso na Universidade de Lisboa.

Se não preenche este requisito não responda p.f.


Para quem não sabe, estes senhores nunca conseguirão encontrar ninguém que preencha este requisito. Porquê?

É muito simples. Porque não existe nenhuma licenciatura em Jornalismo na Universidade de Lisboa. Na verdade, nem sequer existe nenhuma licenciatura em Comunicação Social. Em Lisboa, podemos licenciar-nos em Comunicação Social na Universidade Católica e em Ciências da Comunicação na Universidade Nova. Licenciatura em Jornalismo, só mesmo na ESCS (onde o vosso querido Ovo estudou). É claro que basta ir aos sites das respectivas universidades e ler a lista de disciplinas para perceber que são cursos muito diferentes uns dos outros e, como tal, que os seus alunos serão profissionais bem diferentes uns dos outros. Mas já nem me passa pela cabeça que as empresas se dêem a esse duro trabalho de escolher o que é mais adequado para os seus quadros...

Que raio de mercado de trabalho é este que nem sequer conhece as escolas onde se formam os seus futuros profissionais? Que empresas são estas que não têm o mínimo pudor em fazer exigências que nem sequer são realistas?

São estas coisas, estes pormenores aparentemente insignificantes, que fazem do nosso pequeno país o que ele é: um pequeno país.

5 comentários:

Patti disse...

Por acaso até seria interessante saber as diferenças entre eles, já que à primeira vista, quase se parece estar a falar de cursos muito idênticos.

Patti-AresdaminhaGraça

Génio Louro disse...

Cá para mim eles já têm um advogado recém licenciado para preencher a vaga. Formadíssimo na Universidade de Lisboa. Mas parece mal não lançar concurso. Olha... ganhou o advogado! Foram sinceros: queriam alguém formado na Universidade de Lisboa...

Gema disse...

A diferença é muito simples e, por incrível que pareça, está bem explícita nos próprios nomes dos cursos. Ora na ESCS, os alunos de jornalismo têm ateliês práticos de todos os géneros da área, durante todos os anos do curso: imprensa, rádio e televisão. Ali são formados jornalistas puros e duros. Na Católica, os alunos de comunicação social podem seguir qualquer um dos ramos da área: jornalismo, publicidade e marketing, relações públicas...etc. Têm uma formação mais abrangente, que sinceramente, não sei se os tornará melhores ou piores jornalistas. Na Universidade Nova, os alunos de ciências da comunicação passam a licenciatura a observar e analisar. São cientistas, no fundo. Sabem todos os métodos e teorias, mas saberão de facto ser jornalistas quando saem da universidade?
De facto, não consigo ser imparcial em relação a este assunto, mas chateia-me que as entidades empregadoras façam exigências completamente disparatadas e fora da realidade. Uma pessoa vale o que vale por aquilo que é capaz de fazer e não por causa da média que teve, ou da instituição onde se licenciou.

Clara disse...

Enviei um e-mail aos senhores a denunciar o erro e eles alteraram o anúncio. Agora pedem licenciados na Escola Superior de Comunicação Social do Instituto Politécnico de Lisboa. Ah ah ah!

LOLOLOL disse...

Esqueceram-se do curso do ISCSP, da Universidade Técnica de Lisboa, que também não é de Jornalismo, mas que dá ao mercado de trabalho a sua quota-parte de desempregados.